26 agosto, 2010

Diabetes Mellitus

É uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose (açúcar) no sangue. A glicose é a principal fonte de energia do organismo, mas quando em excesso, pode trazer várias complicações à saúde.

Para começar temos que entender o que acontece no corpo em situação sem a doença e depois quando ela está instalada.

O pâncreas é um órgão do corpo que produz uma substância chamada insulina. O papel dessa substância é levar a glicose (açúcar) até as células do corpo para gerar energia. Só que com o Diabetes esse processo fica alterado causando várias complicações no organismo. Há vários tipos da doença, mas vamos nos deter somente a 3 tipos. Vamos lá!



Diabetes Mellitus - Tipo 1

O Diabetes Tipo 1 é uma doença auto-imune caracterizada pela destruição das células do pâncreas produtoras de insulina. 


Isso acontece por engano. O organismo identifica essas células produtoras de insulina do pâncreas como corpos estranhos e, quando isso acontece o corpo começa a produzir anticorpos para destruí-las, isso é uma resposta auto-imune. 

Com a falta de insulina, a glicose não entra nas células, permanecendo na circulação sanguínea em grandes quantidades.

Quando isso acontece, é preciso tomar insulina para que ela leve a glicose até as células e, assim, se manter saudável. As pessoas precisam de injeções diárias de insulina para regularizar a quantidade de açúcar no organismo. As altas taxas de glicose acumulada no sangue, com o passar do tempo, podem afetar os olhos, rins, nervos ou coração. 

Outro dado é que, no geral, é mais freqüente em pessoas com menos de 35 anos, mas vale lembrar que ela pode surgir em qualquer idade. 


Sintomas


Pessoas com níveis altos ou mal controlados de glicose no sangue podem apresentar:
• Vontade de urinar diversas vezes; 
• Fome freqüente; 
• Sede constante; 
• Perda de peso; 
• Fraqueza; 
• Fadiga; 
• Nervosismo; 
• Mudanças de humor; 
• Náusea; 
• Vômito 



Diabetes Tipo 2 

Mau funcionamento ou diminuição dos receptores das células beta. Estas são responsáveis pela produção de insulina cuja atuação nas células se dá pelo transporte de glicose para dentro desta . Nestes casos, a produção de insulina pode estar ou não normal. Mas como os receptores (portas) não estão funcionando direito ou estão em pequenas quantidades, Para esse segundo tipo de Diabetes, os médicos deram o nome de Diabetes Mellitus tipo 2 (DM tipo 2).

O Diabetes do tipo 2 possui uma grande relação com a obesidade e o sedentarismo. Estima-se que 60% a 90% dos portadores da doença sejam obesos. Acontece, geralmente, com indivíduos com mais de 40 anos. 

Uma de suas peculiaridades é que o pâncreas está intacto, não há a sua destruição de suas células e a produção de insulina está normal. O problema é nas células musculares e adiposas (gordura) a insulina não consegue promover a entrada de glicose necessária, aumentando também as concentrações da glicose na corrente sanguínea. A esse fenômeno, os cientistas chamaram de "resistência à insulina".

O diabetes tipo 2 é cerca de 8 a 10 vezes mais comum que o tipo 1 e pode responder ao tratamento com dieta e exercício físico. Outras vezes vai necessitar de medicamentos orais e, por fim, a combinação destes com a insulina. 


Principais Sintomas: 
• Infecções freqüentes; 
• Alteração visual (visão embaçada); 
• Dificuldade na cicatrização de feridas; 
• Formigamento nos pés; 
• Furunculose. 



Diabetes Melittus Gestacional (DGM)


A diabetes mellitus gestacional (DMG) ocorre em cerca de 2% a 5% de todas as gravidezes. Ela é temporária e completamente tratável mas, se não tratada, pode causar problemas com a gravidez, incluindo macrossomia fetal (peso elevado do bebê ao nascer), malformações fetais e doença cardíaca congênita. Ela requer supervisão médica cuidadosa durante a gravidez. A insulina fetal aumentada pode causar problemas respiratórios. 

DMG é similar ao Diabetes Mellitus tipo 2. Aproximadamente 90% das pacientes com DMG tem diabetes prévia a gestação. Como na DM tipo 2, as mulheres que desenvolvem a DMG são aquelas com sobrepeso ou obesidade. As pacientes têm um apetite aumentado, secundário ao excesso de insulina. Assim, um círculo vicioso de excesso de apetite com um ganho de peso ocorre.


Diagnóstico


A diabetes mellitus é caracterizada pela hiperglicemia recorrente ou persistente, e é diagnosticada ao se demonstrar qualquer um dos itens seguintes:




O Diabetes Melito Gestacional possui critérios de diagnóstico diferentes.




Espero que tenha esclarecido!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...