27 setembro, 2010

O Código da Vinci, o código da mentira - por Eric Vieira Januário

"Eu rogarei ao Pai e ele vos dará um outro Consolador, para que fique para sempre convosco; o Espírito da Verdade...naquele dia conhecereis que eu estou em meu Pai e vós em mim e eu em vós...O Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito" (Jo 14, 16.17.26)

Introdução

Se você teve ânimo para ler o livro O Código da Vinci (CDV) inteiro, escrito por Dan Brown, então não tenha preguiça de ler este longo texto, fruto de 4 meses de pesquisa às mais diversas fontes. Se você ainda não leu o livro, terá a oportunidade de saber que o CDV é um besteirol sem tamanho que não vale a pena ser lido.
O livro CDV é um fenômeno mundial e já está a caminho uma produção hollywoodiana sobre o mesmo que vai tornar acessível o assunto a um número ainda maior de pessoas que poderão ser enganadas em massa. Pois o CDV traz, com certeza, a intenção de infundir idéias gnósticas e falsas nas nossas mentes. Por isso, algumas pessoas têm feito sua parte para mostrar que o CDV não é o que parece ser e colocá-lo no seu devido lugar: o lugar reservado para os grandes besteiróis. E é este o objetivo deste texto: mostrar que o CDV está repleto de mentiras e erros crassos.
Obviamente, o texto aqui apresentado não é um trabalho profissional, pois não sou jornalista, crítico, escritor e nem historiador. Sou apenas um católico que estuda assuntos religiosos e que quer, de uma forma simples, ajudar as pessoas a entenderem o quão falso é o CDV.
Antes de tudo é preciso salientar que somos livres para ler e publicar o que quisermos, desde que assumamos as conseqüências. Daí a passar a acreditar no que lemos também só depende de nós mesmos. É aí que entra a pesquisa. Quando li o CDV, eu sabia que tudo aquilo que o seu autor afirmava parecendo ser tudo tão verdadeiro, deveria ter uma explicação e já durante a leitura encontrava alguns erros no livro. Foi então que me interessei mais pelo assunto e resolvi pesquisar mais sobre o mesmo, principalmente quando percebi que haviam pessoas acreditando em suas teorias mirabolantes.
Sim, há pessoas acreditando no livro. Mas quando eu apresentava minha indignação contra o CDV, houveram os que me tacharam de fanático religioso, porque o livro não passava de ficção e eu cometia a ousadia de querer provar sua farsa.
Mas é o próprio Dan Brown quem afirma que seu livro contém verdades históricas. Na página preliminar do livro ele afirma: "Todas as descrições de obras de arte, arquitetura, documentos e rituais secretos neste romance correspondem rigorosamente à realidade". Numa entrevista na Rede de Televisão ABC, em 2003, no programa Good Morning América, o repórter Charlie Gibson perguntou a Dan Brown: "Se escrevesse um outro livro só contendo os fatos sobre O Código Da Vinci, ele seria muito diferente?" O autor respondeu: "Não iria ser diferente [...] Fiz muitas pesquisas para esse livro. A teoria descrita no meu livro é muito antiga e hoje sou um crente dessa teoria [...] Essa teoria faz muito mais sentido para mim do que o que me foi ensinado quando era criança".
Dan Brown diz, então, ter escrito uma ficção que traz elementos que são fatos. Depois de pesquisar sobre as afirmações de Brown no CDV, só se pode chegar a duas conclusões sobre isso: Brown afirma que seu livro traz elementos verídicos para criar polêmica e vender mais ou ele é totalmente desprovido de conhecimento histórico-artístico-religioso a ponto de escrever um besteirol tão ridículo no que diz respeito a ser fato real.
Somente quem não tem conhecimento no assunto ou quem não pesquisa sobre as afirmações contidas no CDV poderá acreditar num livro tão cheio de mentiras (são vários os sites da Internet que trazem informações a respeito, bem como os livros já publicados sobre as farsas de CDV).

Mas, afinal, em que consiste tal livro que conseguiu gerar tanta polêmica?

A história começa no Museu do Louvre, em Paris, onde Silas, um monge albino vestido com um manto, atira no estômago do curador Jacques Saunière. Silas é um membro numerário da prelazia Opus Dei da Igreja Católica. Ele trabalha para um homem que conhece apenas como o "mestre" (mais tarde ficamos sabendo que se trata de Sir Leigh Teabing, um bretão ultra-rico e obcecado em encontrar o Santo Graal).
Jacques Saunière é um especialista em adoração ao elemento feminino (à deusa) e é o grãomestre do Priorado de Sião, uma organização secreta que esconde o "Santo Graal", que seria, na verdade, os restos mortais de Maria Madalena e junto a eles se encontrariam documentos que provariam que ela era esposa de Jesus de Nazaré e juntos tiveram uma filha chamada Sarah. Madalena e seus seguidores fugiram para a França e talvez até para a Inglaterra, fugindo de uma perseguição realizada pelos apóstolos de Jesus, que não a queriam como líder do cristianismo. A descendência de Jesus e Madalena poderia existir até os dias atuais.
Jacques Saunière, foi baleado e pensou em passar sob forma de enigmas e anagramas as informações secretas do Priorado de Sião para a sua neta Sophie Neveu, uma agente do Departamento de Criptologia da Polícia Judiciária francesa e especialista em decodificação. Jacques Saunière consegue ficar despido, faz um círculo no chão e se posiciona dentro do círculo de forma semelhante ao desenho O Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci. Saunière conseguiu escrever com o seu próprio sangue e com tintas visíveis e invisíveis ao
olho humano alguns símbolos e mensagens para a sua neta. Em uma dessas mensagens, pede a Sophie Neveu que encontre Robert Langdon, um professor de simbologia religiosa da universidade de Harvard.
Juntos, Sophie e Robert, conseguem resolver o assassinato e posteriormente o mistério do Santo Graal. O Santo Graal, segundo o autor, é Maria Madalena, mais especificamente o seu útero, e seus restos mortais, no contexto do romance, encontram-se sepultados na pequena pirâmide, sob a pirâmide invertida, dentro do Museu do Louvre.
O que o livro transmite, então, é que os apóstolos tentaram minar a idéia de que Jesus e Maria Madalena eram "casados", para, assim, possuírem toda autoridade sobre o cristianismo no lugar da esposa de Jesus. A Igreja Católica, ao descobrir isso, manteve a mesma idéia fixa em apagar a figura de Maria Madalena, ou denegrir sua imagem, para não perder seu poder. O CDV enumera muitos "fatos" que mostrariam que a Igreja forjou a Bíblia que conhecemos hoje de acordo com seus interesses e sempre fez de tudo para destruir a imagem da deusa feminina (Maria Madalena) em detrimento de sua autoridade masculina: os Papas, bispos e padres. E as provas disso tudo seriam o Santo Graal. O Santo Graal teria sido guardado e protegido pelo Priorado de Sião, que o mostraria ao mundo quando chegasse o momento adequado. Seria o fim da Igreja Católica e de todas as religiões cristãs conhecidas.

Pois bem, vamos então à análise do livro CDV, mostrando suas inverdades e erros crassos.

Sim, a descredibilidade do livro se deve a inúmeras falhas cometidas pelo autor Dan Brown.
O mesmo que afirma que o livro é fruto de inúmeras pesquisas, comete em seu livro muitas distorções da realidade, o que caracteriza o CDV como um conjunto de tentativas sem veracidade histórica, geográfica, artística e teológica para tentar destruir a fé no cristianismo.
Basta analisar o fato de que, embora seja um dos livros mais vendidos do mundo, nenhum historiador ou nenhum departamento de pesquisa de história sério do mundo deram credibilidade ao mesmo. Se Dan Brown tivesse desvendado a maior mentira de todos os tempos (a idéia de que Jesus quis fundar uma religião guiada pelos seus apóstolos) será que ninguém pesquisaria isso? Será que nenhum pesquisador honrado seria capaz de afirmar que tudo o que se acredita há 2000 anos sobre Jesus não passou de pura invenção da Igreja Católica? Porque isto não está acontecendo? Porque basta pesquisar seriamente sobre o livro para descobrir que ele é uma grande viagem fértil, que não apresenta fatos confiáveis e que seu autor tentou (de forma muito
criativa, é verdade) coocar no nosso subconsciente dados inconsistentes que provariam que tudo que nos foi ensinado sobre Cristo é falso.
Vejamos, finalmente, quais são os inúmeros erros de Brown em seu livro, o que o desqualifica como verdade histórica.
1. As obras de Leonardo da Vinci
Porque o livro de Dan Brown chama-se O Código da Vinci? Segundo as teorias deste livro, Leonardo da Vinci pertencia a uma sociedade secreta, o Priorado de Sião, uma organização que tem como missão guardar e transmitir secretamente as "verdades" sobre o cristianismo: Jesus era casado com Maria Madalena; esta deveria ser cultuada como deusa, para elevar o culto ao feminino; Jesus teve uma descendência com Madalena; a Igreja fraudou os evangelhos a seu favor para elevar o culto ao masculino (e determinar a autoridade masculina sobre o cristianismo), etc. Esta sociedade secreta ainda teria por missão esconder o Santo Graal (os restos mortais de Maria Madalena).
Leonardo da Vinci, como membro do Priorado, teria transmitido todas essas idéias através de códigos secretos em suas obras de arte. Mas esses códigos não passam de especulação! Não existe nenhuma afirmação de Leonardo da Vinci que comprove isso! Uma análise séria de suas obras não mostram nenhum código escondido. Tudo o que Brown faz são suposições, outras milhões delas podem ser feitas sobre qualquer obra artística. Enfim, não há nenhum documento histórico que comprove que Leonardo da Vinci deixava "recados" escondidos em suas obras. De qualquer forma, analisemos aqui as obras referidas por Brown para vermos até onde o autor do CDV usa sua criatividade mirabolante.
Primeiro, vejamos o que Brown afirma sobre a Mona Lisa. No CDV afirma-se que o quadro representa o próprio Leonardo travestido de mulher (uma alusão ao feminismo "defendido" pelo pintor). Num diálogo entre personagens do livro, está escrito: "É verdade que a Mona Lisa é o retrato do próprio Da Vinci, só que
travestido?" ... "É bem possível [...] Mona Lisa não é homem, nem mulher. Traz uma mensagem sutil de androginia. É uma fusão de ambos" (p.130). Brown afirma também que as palavras "Mona Lisa" são uma união do deus egípcio Amon com a deusa egípcia Ísis, "cujo pictograma antigo era L’ISA [...] Amon L’isa" (p.131). E conclui suas afirmações: "E esse, meus amigos, é o segredo de Da Vinci, o motivo do sorriso zombeteiro da Mona Lisa" (p.131).
Qual a prova disso? Nenhuma! Todos os estudos sérios sobre a Mona Lisa indicam que a mulher retratada é Lisa Gherardim. Donald Sasson, estudioso do assunto, afirma: "O registro do Battistero di San Giovanni confirma que ela nasceu em Florença, numa terça-feira, em 15 de junho de 1479. [...] Aos 16 anos, Lisa casou-se com um homem dezenove anos mais velho e duas vezes viúvo: Francesco di Bartolomeo di Zanobi Del Giocondo, um dignitário florentino. [...] Na época em que Leonardo começou a pintá-la, ela já tinha tido três filhos, e um deles, uma menina, havia morrido em 1499. [...] E até onde se pode verificar, Lisa não fez nada de excepcional durante sua vida inteira, exceto sentar-se imóvel enquanto Leonardo a desenhava" (Mona Lisa – A história da pintura mais famosa do mundo. Editora Record. Rio de Janeiro, RJ, 2004, páginas 34 e 35).
Dizer que o nome Mona Lisa é a junção de nomes de deuses também é uma grande invenção. Mona é o diminutivo de Madona (minha senhora, em italiano) (Mona Lisa – A história da pintura mais famosa do mundo. Editora Record. Rio de Janeiro, RJ, 2004, p. 14) e Lisa é claramente o nome da mulher retratada.
Outro desvio de Brown foi classificar o sorriso de Mona Lisa como "zombeteiro". Este tipo de sorriso discreto foi usado em outros quadros de Leonardo: São João Batista (1513-1516); João Batista com atributos de Baco (1513-1516); A Virgem com o menino de Santa Ana (1510); Dama com Arminho (1483-1490). Sasson também explica esse uso: "Risos – em oposição a sorrisos – são raros nos quadros do Renascimento, e nunca são usados quando a aristocracia e as classes mais altas são representadas. Mona Lisa não ri; ela mostra comedimento e decoro. Um sorriso pode ser considerado como um riso atenuado, como a palavra francesa, sou-rire – "subriso" – e a raiz etimológica do latim, subridere, sugerem. No mundo altamente codificado da vida da corte italiana do século XV, sorrisos não são deixados por conta da iniciativa pessoal. Havia numerosos livros à disposição daqueles que desejassem ser introduzidos no código apropriado de comportamento". (Mona Lisa – A história da pintura mais famosa do mundo. Editora Record. Rio de Janeiro, RJ, 2004, p. 25). 
Outro motivo que explica o sorriso de Mona Lisa é que "músicos, palhaços e outros artistas ficaram entretendo a modelo, enquanto Leonardo a pintava" (citação de Giorgio Vasari, biógrafo de artistas e comentarista sobre a Mona Lisa, em 1550).
Portanto, não há nada de secreto em Mona Lisa.
Outra obra de Leonardo sobre a qual Brown demonstra total desconhecimento é a Madona das Rochas ou A Virgem dos Rochedos. A falta de conhecimento sobre a obra por parte do autor é clara. Já na descrição do tamanho do quadro ele erra: "Com um metro e cinqüenta, a tela quase escondia o corpo da moça" (p.143). Ora, sabe-se o tamanho exato da obra: 199 x 122 cm e não um metro e cinqüenta. Outro equívoco de Dan Brown foi afirmar que esta tela foi encomendada pelas freiras da Confraria da Imaculada Conceição (p.148). Acontece que não havia freiras nesta confraria! Apenas padres e foram eles que encomendaram A Madona das Rochas. Se nestes simples detalhes Brown se engana, tudo o mais que ele fala sobre a obra é uma confusão total.
Vejamos o que ele relata sobre esta obra de arte: "A tela mostrava a Virgem Maria de túnica azul, sentada com o braço em torno de um bebê, presumivelmente o Menino Jesus. Diante dela se encontrava sentado Uriel, também com um menininho, presumivelmente o pequeno João Batista. O estranho, porém, era que, em vez da cena que costumeiramente se vê, de Jesus abençoando João Batista, era João que estava abençoando Jesus... E Jesus mostrava-se submisso à sua autoridade!" (p.148).
"O mais preocupante, porém, era que Maria estava com uma das mãos sobre a cabeça do pequeno João e em um gesto decididamente ameaçador – os dedos pareciam garras de águia agarrando uma cabeça invisível. Por fim, a imagem mais amedrontadora e clara: logo abaixo dos dedos curvos de Maria, Uriel fazia com a mão o gesto de quem corta uma cabeça – como se cortasse o pescoço da cabeça invisível que a mão de Maria, em forma de garra, segurava" (pp. 148-149).
Sobre este quadro, Brown conseguiu superar-se em criatividade e mentiras.
Ele simplesmente inverteu a ordem dos meninos retratados na obra. Na verdade, Maria está com o braço em torno de João Batista. Já Jesus está à esquerda de Maria, abençoando João Batista. Quanto ao resto, sabe-se que a mão esquerda de Maria sobre a cabeça de Jesus (e não de João) simboliza proteção. O anjo Uriel seria o anjo da guarda de João Batista e aponta em direção a ele. Portanto essas estórias de cabeça invisível, mão de águia, etc não passam de invenções de uma mente fértil, muito fértil. Segundo Brown esta obra foi feita em duas versões porque as freiras da confraria (que não existem!) teriam recusado a primeira versão e exigido uma versão mais branda, menos ameaçadora. Outra mentira. Sabe-se muito bem que a existência de
duas versões de A Madona das Rochas se deve ao fato de que Leonardo Da Vinci quis vender a obra a um amante de arte que lhe oferecera muito mais que aquilo que a Irmandade estava preparada para pagar. E assim foi feito, o tal amante de arte, possivelmente Ludovico Sforza, comprou a primeira versão e cerca de 20 anos mais tarde a confraria comprou uma segunda versão.
Por fim, a obra mais importante descrita por Brown: A Última Ceia. Só para começar, Dan Brown chama esta obra de "afresco" quatro vezes na página 252 do CDV. Mas esta obra não é, nem de longe, um afresco! É uma "técnica de óleo e têmpera sobre gesso", que se encontra na parede do refeitório do Convento de Santa Maria delle Grazie, em Milão. Brown erra logo na definição da obra.

Quais são as considerações mirabolantes que Brown faz sobre A Última Ceia em CDV?

Dan Brown insinua que no quadro da última ceia de Jesus com seus apóstolos não foi retratado o cálice onde Jesus teria servido vinho. Pelas teorias do CDV isso se deve ao fato de que Leonardo Da Vinci quis dizer que o cálice sagrado (Santo Graal) é, na verdade, uma pessoa! Essa pessoa seria nada mais, nada menos que Maria Madalena! Realmente Brown esconde os fatos. Sabe-se que A Última Ceia foi feita baseada no Evangelho de João, o qual não relata um cálice de vinho, mas apenas conta que Jesus disse que havia, entre os apóstolos, um traidor (Judas Iscariotes).
Quem fala do cálice são os outros evangelhos da Bíblia (Mateus, Marcos e Lucas). Portanto é natural que não houvesse um cálice nesta obra. O absurdo maior, no entanto, está na afirmação do CDV de que a pessoa ao lado direito de Jesus, nessa obra de Leonardo, não é o apóstolo João, mas sim Maria Madalena! Brown ainda diz que Pedro, com sua mão esquerda próxima ao pescoço de "Madalena" e um punhal na sua mão direita é um sinal de ameaça já que Pedro teria ciúmes dela por ela ser uma potencial líder dos cristãos.
Pois bem, só que Brown parece não levar em conta que no Renascimento muitas figuras masculinas foram retratadas com aspectos afeminados para dar mais pureza nestes personagens. Este é o caso de João em A Última Ceia. Basta ver que neste
mesmo quadro, há um outro personagem retratado desta maneira: Felipe (o terceiro à esquerda de Jesus). E agora? Será que podemos também dizer que Felipe é, na verdade, uma mulher? Quem seria ela? Uma amante secreta de Jesus? Ele teve um filho com ela também? Vê-se como é fácil criar uma teoria polêmica a partir de um ponto insignificante?

Outra pergunta a fazer é: se a pessoa à direita de Jesus é Maria Madalena, onde está o apóstolo João?

Não há nenhuma prova de que Maria Madalena está nesta obra. Dan Brown se utilizou de uma teoria repetida. Esta idéia de Madalena na criação de Leonardo da Vinci é velha e desbancada! Caso contrário os amadores de arte teriam toda uma vida para descobrir quem são todas as mulheres escondidas nas figuras masculinas do Renascimento.
Para mostrar a total descredibilidade artística de Dan Brown, basta ver a afirmação de Erwin Lutzer, que é bacharel e mestre em artes, mestre em teologia e doutor em direito, em seu livro "A fraude do Código Da Vinci", na página 70: "Quase tudo que Dan Brown afirma sobre Leonardo (da Vinci) está errado." 
Sendo assim, vemos que as obras artísticas descritas no CDV foram distorcidas e sofreram mera especulação. Para piorar sua moral o autor de CDV ainda ousa afirmar nos agradecimentos do livro: "E minha esposa, Blythe – historiadora de arte, pintora, editora de primeira linha e, sem dúvida, a mulher mais incrivelmente talentosa que jamais conheci." Ela precisa dar umas aulas de arte para o marido! Ou talvez ela também precise de umas aulas dessas. 

2. E o Priorado de Sião?
O Priorado de Sião realmente existiu? Sim, mas não é nada do que Brown diz ser. Segundo ele: "O Priorado de Sião – sociedade secreta européia fundada em 1099 – existe de fato. Em 1975, a Biblioteca Nacional de Paris descobriu pergaminhos conhecidos como Os Dossiês Secretos, que identificavam inúmeros membros do Priorado de Sião, inclusive Sir Isaac Newton, Botticelli, Victor Hugo e Leonardo da Vinci" (página preliminar). No CDV lemos que o Priorado de Sião é o guardião do segredo do casamento de Jesus com Maria Madalena e, através dos tempos, escondeu o Santo Graal (os restos mortais de Madalena) e documentos que comprovariam essa tese. Dados mais incorretos são impossíveis. Dan Brown confundiu duas organizações diferentes. Ele confundiu o Priorado de Sião com a Ordem ou a Abadia de Sião. Esta surgiu na Idade Média e foi dissolvida pelo Rei Luiz XIII da França no ano de 1619.
Já o Priorado de Sião foi criado somente em 20 de julho de 1953. O pedido de autorização de constituição do Priorado foi efetuado a 7 de Maio de 1956, na Sub- Prefeitura de Polícia de Saint-Julien-en-Genevois (Alta Sabóia), mediante uma carta assinada pelos quatro fundadores: Pierre Plantard, André Bonhomme, Jean Deleaval e Armand Defago. Portanto, conhece-se muito bem a origem do Priorado de Sião e este não tem nada a ver (legalmente) com a Idade Média, nem com a Abadia de Sião.
Um dos fundadores do Priorado de Sião, Pierre Plantard (1920-2000), queria propagar na França os ideais de restauração de uma monarquia tradicionalista, através de propaganda política. Plantard inventou que o Priorado existia desde o século XI e que guardava a dinastia merovíngia, da qual ele fazia parte. E que essa
dinastia, agora, teria o direito de restaurar a monarquia na França, da qual ele seria representante. Portanto Pierre Plantard possuía desejos mais que ambiciosos. Pior: Plantard foi quem criou os falsos "Dossiês Secretos" e quem os depositou na  Biblioteca. Os ditos "pergaminhos conhecidos como os Dossiês Secretos" foram uma invenção de Pierre Plantard, conforme desmascarado no programa The History of a Mystery (A História de um Mistério) levado ao ar pela Time Watch BBC em 1996. O próprio Pierre Plantard confessou à justiça francesa em 1992 ter sido o criador de todas as peças do Priorado de Sião com o intuito de pô-lo no trono da França como um suposto descendente merovíngeo e de Jesus Cristo. Há na França três locais onde qualquer pessoa pode obter documentação judicial e criminal sobre Pierre Plantard, a saber: a Prefeitura de Polícia de Paris, a Sub-Prefeitura de Saint-Julien-en-Genevois e o Tribunal de Grande Instância de Thonon les Bains.
Portanto, fica claro que o Priorado de Sião, Os Dossiês Secretos e a ligação destes com Leonardo Da Vinci, não passam de armação, de uma fraude já desmascarada pela justiça francesa.

Porque no CDV não se fala nisso? Porque Brown esconde tudo isso? Será que ele desconhece estes dados que comprovam que o Priorado é uma farsa ou será que ele se faz de desentendido?

3. A divindade de Jesus

Segundo o CDV Jesus foi considerado um ser humano comum, e só a partir do Concílio de Nicéia, em 325 d.C., passou-se a considerá-lo como Filho de Deus: "…[No Concílio de Nicéia] muitos aspectos do cristianismo foram debatidos e votados – a data da páscoa, o papel dos bispos, a administração dos sacramentos, e é claro, a divindade de Jesus […] Até aquele momento na história, Jesus era visto por seus seguidores como um profeta mortal […] um homem grandioso e poderoso, mas mesmo assim um homem. Um mortal" (p.221).
Vários escritos mostram o contrário. Jesus sempre foi considerado divino pelos cristãos. Basta ver que todos os apóstolos de Jesus foram martirizados exatamente por afirmarem que ele é o filho de Deus e ressuscitou dos mortos: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus [...] E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai" (Jo 1, 1.14).
"...São os patriarcas, e também deles descende o Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém!" (Rm 9,5).
"Mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e cetro de eqüidade é o cetro do seu reino" (Hb 1, 8).
"Ele é a imagem do Deus invisível" (Colossenses 1,15).
"Vimos a sua majestade com nossos próprios olhos" (2 Pe 1,16)
Estes textos foram escritos pelos apóstolos, já no século I. Como pode então alguém dizer que só no século IV Jesus passou a ser divinizado?
Biblicamente é indiscutível a idéia da divindade de Jesus. Segundo as palavras do próprio Cristo, ele é Deus: "Eu e o Pai somos um" (João 10.30). O Novo Testamento, escrito nos séculos I e II relatam os feitos extraordinários de Jesus: andou sobre as águas, transformou água em vinho, multiplicou pães e peixes, curou leprosos, paralíticos, cegos, acalmou tempestades, expulsou demônios, ressuscitou a filha de Jairo, o jovem de Naim e Lázaro, transfigurou-se no Monte Tabor, ressuscitou a si mesmo no 3º dia de sua morte. Todos estes relatos foram escritos por cristãos contemporâneos a Jesus ou que viveram pouco tempo após ele.
Fontes cristãs não bíblicas também provam que Jesus era considerado como Deus antes do Concílio de Nicéia. Inácio, martirizado por sua fé em cerca de 117 d. C. chamou Jesus de Deus: "Pois o nosso Deus, Jesus o Cristo, foi concebido no ventre de Maria, segundo uma dispensação, da semente de Davi, mas também do Espírito Santo; e Ele nasceu e foi batizado" .
Não está se discutindo aqui se Jesus é divino ou não. Isto depende da fé de cada um. Mas nota-se claramente de que a idéia de que ele não era um homem comum existe desde o século I e não a partir do século IV.

Há ainda escritos de autores não cristãos que mostram que Jesus já era cultuado como ser divino, bem antes do concílio de Nicéia: Plínio, o Jovem, foi governador romano da Bitínia e escreveu no ano 112: "...os cristãos estavam habituados a se reunir [...] e cantar um cântico a Cristo, que eles tinham como Deus." (Epístolas, I.X 96).
Luciano de Samosata (170 d.C.) escreveu uma carta hostil sobre o cristianismo na qual afirmou: "Os cristãos, como todos sabem, adoram um homem até hoje - o distinto personagem que iniciou seus novos rituais – e foi crucificado por causa disto."
Flávio Josefo (37-100 d.C.), um famoso historiador judeu afirmou em seus escritos sobre a impossibilidade de Jesus ser um homem. Ele o identificou como o Messias: "Cerca desta época viveu Jesus, um homem, se de fato podemos chamá-lo homem. Pois ele foi alguém que realizou feitos surpreendentes e ensinou as pessoas que aceitavam alegremente a verdade. Ele atraiu muitos judeus e gregos. Era o Messias."
Então, de onde Dan Brown tirou a informação que a divindade de Jesus foi inventada só no ano 325?
Além disso é um equívoco dizer que o Concílio de Nicéia debateu se Jesus era divino ou não.
Na verdade, o Concílio debateu uma heresia, o Arianismo, que afirmava que Jesus não era divino por natureza, ou seja, negava que ele teria existido desde sempre (sendo Deus desde sempre), mas afirmava que ele teria sido criado posteriormente (mas divino) por Deus.
Dan Brown ainda comete a gafe de afirmar que, neste concílio, Jesus foi considerado divino numa eleição que teve um resultado "meio apertado" (p. 250). O autor de CDV deve rever seus conceitos, pois a votação que ele diz ter sido apertada foi assim: 300 bispos a favor da divindade por natureza de Jesus e apenas 5 contra essa idéia. Apertada???

4- Os evangelhos foram fraudados?

Dan Brown comete o absurdo de afirmar que os evangelhos da Bíblia (Mateus, Marcos, Lucas e João) foram fraudados, de modo a divinizar Jesus, apagar a figura de Maria Madalena como líder dos cristãos e colocar os apóstolos como líderes da Igreja. 
Este absurdo se esfacela quando estudamos a origem dos evangelhos, o que prova sua autenticidade.
Sabemos que os originais dos evangelhos foram perdidos devido a fragilidade do material em que foram escritos, o papiro (pele de ovelha).
O que temos hoje dos evangelhos são cópias desses originais chamados papiros (os mais antigos), códices unciais (escritos em códigos maiúsculos), códices minúsculos (escritos em códigos minúsculos) e os lecionários (textos para a liturgia).
São cerca de 5236 manuscritos comprovados como autênticos pelos especialistas. Estes manuscritos estão distribuídos pelo mundo em vários centros de pesquisas ou museus e a maioria deles não está sob poder da Igreja Católica. Existem escritos na Filadélfia, Florença, Viena, Paris, Londres, Estrasburgo, Berlim, Londres, Cambridge, Moscou, São Galo, Oxford, Gênova, Nova York, Cairo, etc. Só há um código, datado do século IV no Vaticano. Isso mostra que os evangelhos não estão sob poder da Igreja e que qualquer grupo de pesquisa pode estudá-los. A Igreja não tem o poder de decidir quem estuda sobre eles. Portanto, se há alguma fraude, ela pode ser descoberta. Os documentos estão à disposição para os pesquisadores.

De todos estes manuscritos o mais antigo é o papiro de Rylands, conservado em Manchester (Inglaterra). Ele é do ano 120 d.C (aproximadamente) e contém os versículos de João 18, 31-33.37.38. O Evangelho de João (original) foi escrito por volta do ano 100. Desta forma, muito provavelmente, temos uma cópia do próprio original.
Quanto aos outros escritos do novo testamento, eles datam dos séculos III ao VI (estamos falando das cópias, não dos originais, estes foram escritos por volta do século I, logo após a vida de Jesus). Desta forma, temos cópias muito próximas dos originais. Se comparamos com outros clássicos da literatura, vemos que as cópias que temos deles hoje estão muito mais distantes dos originais do que as cópias dos evangelhos. Por exemplo, os escritos de Virgílio distanciam-se da 1ª cópia em cerca de 350 anos; os de Júlio César, em cerca de 900 anos; os de Platão, em cerca de 1300 anos; os de Tucídedes, em cerca de 1300 anos, os de
Eurípedes, em cerca de 1600 anos! Ninguém questiona se esses escritos foram fraudados, mas quando se trata da Bíblia...
Mas Dan Brown não foi o único a levantar a hipótese falsa de que os evangelhos foram fraudados. Os racionalistas dos séculos XVII e XVIII se empenharam em destruir a autenticidade dos evangelhos. Querendo mostrar que os evangelhos eram uma farsa, estudaram-nos durante muito tempo, tendo a certeza de que iriam provar ao mundo que eram as grandes mentiras da Igreja. A que conclusões chegaram? Vejamos com suas próprias palavras:
Renan, racionalista francês: "Em suma, admito como autênticos os quatro evangelhos canônicos".
Harnack, racionalista alemão: "O caráter absolutamente único dos evangelhos é, hoje em dia, universalmente reconhecido pela crítica."
Streeter, grande crítico inglês: "Os evangelhos são, pela análise crítica, os que detém a mais privilegiada posição que existe."
Hort e Westcott, os mais exigentes críticos do século XIX: "As sete oitavas partes do conteúdo verbal do Novo Testamento não admitem dúvida alguma. A última parte consiste, preliminarmente, em modificações na ordem das palavras ou em variantes sem significação. De fato, as variantes que atingem a substância do texto são tão poucas, que podem ser avaliadas em menos da milésima parte do texto." E eles ainda disseram:
"Trabalhamos febrilmente durante 50 anos para extrair as pedras da cantaria que servirão de pedestal à Igreja Católica?" Sim, os críticos trabalharam para destruir os evangelhos durante 10, 20, 30, 40, 50 anos para desmentir os evangelhos canônicos, mas só conseguiram construir um pedestal para a Igreja. Como agora, Dan Brown em apenas alguns anos de estudos, conseguiria descredibilizar a Bíblia?

5- Os livros apócrifos

No CDV há algumas referências sobre os livros apócrifos. Os livros apócrifos são aqueles que não estão contidos na Bíblia, mas contam a história do povo de Deus (já os livros canônicos são aqueles que foram inseridos na Bíblia). Alguns dos apócrifos são fantasiosos, outros até podem ser verdadeiros, mas fogem demais da idéia central da Bíblia: a mensagem de Jesus Cristo. Por isso a Igreja não os colocou na Bíblia. Em CDV, no entanto, Brown afirma que a Igreja ignorou totalmente esses livros porque eles seriam a prova de que Jesus não era divino, foi casado com Maria Madalena e não quis fundar nenhuma religião.
Mais uma vez, o autor do CDV foge à realidade.

Primeiro porque a Igreja Católica não ignora totalmente os apócrifos. Alguns deles, embora não considerados como divinamente inspirados, são a fonte de várias crenças da Igreja, tais como: a descida de Jesus aos infernos ou à mansão dos mortos (nos Evangelhos sobre a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo), a virgindade perpétua de Maria (nos Evangelhos sobre a Natividade e a Infância de Jesus), a Assunção corporal de Maria (nos Evangelhos sobre a Dormição)... Além disto, os apócrifos transmitem os nomes dos genitores de Maria - Joaquim e Ana - venerados como Santos aos 26 de julho; a Apresentação de Maria no Templo aos três anos de idade, celebrada na Liturgia aos 21 de novembro; o nascimento de Jesus numa gruta com a presença do boi e do burro; os nomes dos três magos, tidos como reis - Gaspar, Belquior e Baltasar; os nomes dos dois ladrões crucificados com Jesus, a saber: Dimas e Gesta; o nome do soldado ou centurião que abriu o lado de Jesus: Longino (o que vem do grego logchos, lança); a história de Verônica, que enxugou o rosto de Jesus... A arte cristã valeu-se muito dos apócrifos. Sejam recordados os ícones bizantinos, a Divina Comédia de Dante Alighieri, o Paraíso Perdido de Miíton, a Messíade de Klopstock. É de lembrar ainda que até o fim do século IV houve cristãos que atribuíram a alguns pócrifos (a Didaqué, as epístolas do pseudo-Barnabé, o Pastor de Hermas...) o valor de palavra inspirada. As dúvidas cessaram em 393, quando o Concílio regional de Hipona definiu o catálogo (cânon) sagrado como ele é hoje na Igreja Católica, com seus 73 livros; a mesma definição foi repetida pelos Concílios de Cartago III (397), Cartago IV (419), Trulos (692), pelo Concílio geral de Florença (1442), pelo de Trento (1546) e pelo do Vaticano I (1870). Mas há ainda apócrifos que desmerecem qualquer credibilidade. Um exemplo seria o Evangelho de Barnabé. Estudos provam sua falta de autenticidade, revelando características medievais neste livro, com diversos trechos idênticos aos escritos de Dante, mostrando que provavelmente esse apócrifo foi escrito na Idade Média e se baseou em Dante (são inúmeras as coincidências entre os 2 autores).
Outra prova da não contemporaneidade desse apócrifo e Jesus é a afirmação que o autor faz de que o jubileu judaico era comemorado a cada 100 anos. Na verdade sabe-se que tal jubileu era comemorado a cada 50 anos. Ora, Barnabé, sendo judeu, deveria saber disso! Logo, não foi Barnabé quem escreveu esse livro.
Há ainda no apócrifo de Barnabé inúmeros erros geográficos e históricos em relação a palestina. Tal livro fala de Jesus chegando a Nazaré e Jerusalém de barco! Não há oceano, nem lagos navegáveis nestas cidades! Será que Barnabé, que viveu na palestina, iria se esquecer disso? O autor desse apócrifo também fala que de Nazaré, Jesus subiu a Cafarnaum, quando na verdade sabemos que o caminho de Nazaré a Cafarnaum é uma descida! E foi em Cafarnaum que Jesus chegou de barco. Será que Barnabé, sendo palestino, não saberia em quais destes lugares haveria mar? Mesmo que ele não tenha ido com Jesus a estes lugares, todos naquela região sabiam que não há mar em Jerusalém! O autor do livro de Barnabé (que acabamos de ver não pode ter sido Barnabé, nem ninguém que viveu na palestina) também registra erros históricos: erra sobre a história de Daniel; afirma que houve uma grande revolta em toda a Judéia por causa de Jesus (o que ninguém mais registrou. Nenhum outro historiador da época registraria uma revolta tão grande?); afirmou que o chefe dos sacerdotes judeu reverenciou Jesus, quando sabemos que tal chefe era um dos inimigos de Jesus, etc.
Este é apenas um dos exemplos que mostram como nem todo apócrifo é autêntico. Há ainda apócrifos que falam que Jesus, quando criança, incinerava seus coleguinhas quando estes esbarravam nele. Outros, como o apócrifo de Tomé, afirmam que Jesus teria dito que transformaria Maria Madalena em um homem, para que ela pudesse fazer parte da Igreja: "Simão Pedro disse a eles: Que Maria se afaste de nós, pois as mulheres não merecem viver.
Jesus disse: Ó conduzi-la-ei, para eu possa torná-la homem, para que ela possa também tornar-se espírito vivente, à semelhança de vós, homens. Pois toda mulher que se fizer homem entrará no reino do céu". (Apócrifo de Tomé)

Será que estes apócrifos merecem estar na Bíblia? 

O autor de CDV menciona em especial, dois apócrifos: O evangelho de Felipe e o evangelho de Maria Madalena. Primeiro erro: Brown afirma que estes escritos foram descobertos em Nag Hammadi, próximo ao Mar Morto na década de 50. Esperava-se que pelo menos nas datas Dan Brown fosse capaz de acertar. Mas não. O nosso grande pesquisador errou na data! Esses evangelhos apócrifos foram descobertos na década de 40 e não na década de 50.
Outro fato interessante que prova como Brown manipula os dados: ele cita os 2 já mencionados evangelhos apócrifos, mas não cita que um outro evangelho apócrifo, o de Tomé, que também foi encontrado em Nag Hammadi na mesma época. Porquê? Como já vimos é neste evangelho que Jesus teria dito que "toda mulher que se fizer homem entrará no reino do céu." Obviamente, se Brown mencionasse este escrito, toda a sua teoria de que Jesus quis elevar Maria Madalena como deusa feminina cairia por terra. A saída de Brown para apagar esta contradição entre os apócrifos foi simplesmente esquecer o apócrifo de Tomé.
Mas no livro CDV há referências de que todos os apócrifos podem ser verdadeiros. Mas como, se entre eles há muitas contradições? Dan Brown fala do apócrifo de Felipe como sendo referência para o "casamento" de Jesus e Maria Madalena. Cita trechos do apócrifo de Maria Madalena que provavelmente também é falso, mas este não fala que Jesus e Maria Madalena eram "casados", apenas relata que Madalena conhecia segredos de Jesus. Se os apócrifos que Dan Brown cita são verdadeiros, como num deles pode haver referência sobre o "casamento" de Jesus e em outro (escrito pela suposta "esposa" de Jesus) não haver alusão clara a isso? Será que Maria Madalena não citaria em seus escritos (se é que ela sabia escrever) que ela era casada com Jesus, se assim o fosse? Bom, isso só mostra que esses apócrifos são muito contraditórios, portanto nem todos podem ser verdadeiros.
Dan Brown vai ainda mais longe. Ele afirma que no apócrifo de Felipe está escrito que Jesus provocava ciúmes nos apóstolos, pois beijava Maria Madalena constantemente na boca. Pura  invenção! O apócrifo de Felipe foi danificado pela ação do tempo, faltando fragmentos neste pergaminho. Desta forma não aparece a palavra boca nesta citação. A única coisa que podemos ler neste trecho deste apócrifo é (as partes entre colchetes são ilegíveis no original): "E a companheira de [...] Maria Madalena [amou] a ela mais que a [todos] os discípulos e [costumava] beija-la [sempre] na [...]". A partir deste texto Dan Brown, e outras pessoas inventam o resto e escrevem: "E a companheira de [Jesus foi] Maria Madalena. [Ele amou] a ela mais que a [todos] os discípulos e [costumava] beija-la [sempre] na [boca]". Onde Brown afirma estar escrito boca, poderia muito bem estar escrito face, testa, mão. Mas claro, se Brown não usasse a palavra boca, ele não criaria polêmica.
Se não bastasse essa mentira, Dan Brown comete o erro de afirmar no CDV, ainda sobre este trecho do apócrifo de Felipe: "Como qualquer estudioso do aramaico poderá lhe explicar, a palavra companheira naquela época literalmente significava esposa" (p.233) 
Estudioso em aramaico? Mas o evangelho de Felipe foi escrito em copta (egípcio) e não aramaico. Que tipo de estudioso é Dan Brown? Sem contar que a palavra referida Koinonos, que é uma palavra grega e não aramaica, significa amizade; comunidade; companheirismo. Se a intenção fosse afirmar um casamento a palavra mais usada seria Gyné, que significa esposa.
O apócrifo de Felipe também é um livro duvidoso. Este escrito afirma que Jesus mudava de aparência para se apresentar a certas pessoas; diz que não se deve rezar no inverno, porque o inverno é o mundo, e o verão é o outro mundo e pior; afirma que só as mulheres virgens entrarão no paraíso (o que impede a reprodução humana!). É este livro que Dan Brown queria que a Igreja colocasse na Bíblia como palavra inspirada por Deus? Sobre ele, Philip  Jenkins, professor de História e Estudos Religiosos da Penn State University, afirma em seu livro, Hidden Gospels (Evangelhos Secretos): "O Evangelho de Felipe não data de jeito nenhum do século I, os estudiosos o datam do século III, cerca de 200 anos após Jesus ter vivido, e, portanto, não é produto do discípulo Felipe do livro de Atos, a menos que ele tenha vivido pelo menos 310 anos! Isto seria tão distante do nosso tempo como a Revolução Americana, e certamente este é um Evangelho não preferencial em relação aos canônicos, os quais mesmo designados com datas tardias por alguns estudiosos (80- 100 D.C.) são muito mais próximos da sua fonte. O documento de Nag Hammadi, por sua vez, não foi escrito antes de 350 D.C." Outro apócrifo citado no CDV, como já dito, é o apócrifo de Maria Madalena. Mas este livro também não é um dos mais confiáveis. Ele é um documento gnóstico que não reflete a realidade encontrada entre os judeus palestinos do século I (o gnosticismo acredita que Jesus não se encarnou, mas que o espírito de Cristo se apossou dele no seu batismo e o abandonou na sua morte). Jenkins nota que os fragmentos mais antigos datam do século III, e a maioria dos estudiosos não o datam de antes de 180-200 d.C. Logo, não foi escrito por Madalena.
É óbvio que Dan Brown não se ateve a estes dados que mostram como esses apócrifos não são confiáveis. Aliás, qual teria sido a intensidade de estudo sobre os apócrifos feitos por Brown? Afinal, até a data de sua descoberta, como já vimos, ele desconhece e mostra claramente isso ao afirmar: "Felizmente para os historiadores [...] alguns dos evangelhos que Constantino tentou erradicar conseguiram sobreviver. Os pergaminhos do mar morto foram encontrados nos anos 1950 escondidos em uma caverna próxima a Qumran, no deserto da Judéia." (p.234). Se Brown estudasse 3 anos a mais talvez saberia que estes pergaminhos foram descobertos em 1947 e não na década de 50.
Todos esses erros cometidos em CDV sobre os apócrifos bastam? Não. Brown conseguiu errar ainda mais. No livro há a afirmação de que a Igreja Católica "tentou bastante suprimir a liberação desses pergaminhos" e impede que estudos sejam realizados sobre eles. É, mais uma vez o autor mentiu, ou desconhece os fatos, pois os textos de Nag Hammadi estão sob custódia do Estado de Israel e pesquisadores de todos os credos trabalham livremente com eles. A Igreja não tem nada a ver com isso.
Disto tudo, só podemos concluir que os apócrifos não constituem uma fonte confiável sobre a vida de Jesus, diferentemente dos evangelhos canônicos, que, a crer nos estudiosos, são autênticos.

6. Constantino influenciou diretamente a Igreja?

Uma das teorias do CDV diz que o imperador romano Constantino foi quem decidiu que Jesus deveria ser considerado divino e quais seriam os livros inseridos na Bíblia de forma a implantar o machismo e a autoridade masculina na Igreja e na sociedade. Este absurdo histórico pode ser visto nos trechos de CDV a seguir: "A Bíblia, como a conhecemos hoje, foi compilada pelo imperador romano pagão, Constantino o Grande"(p.220). "Felizmente para os historiadores [...] alguns dos evangelhos que Constantino tentou erradicar conseguiram sobreviver."
"Até aquele momento da história, Jesus era visto pelos seus discípulos como um mero profeta mortal... um grande e poderoso homem, mas que não passava de um homem. Um mortal... Constantino promoveu Jesus a divindade quase três séculos depois de sua morte"(p.221).
Dizer que Constantino articulou o Novo Testamento é um absurdo. Sabe-se que o processo de formação da Bíblia não foi fruto de uma única reunião na época de Constantino. A Bíblia foi formada aos poucos, ao longo dos anos. É provável que o próprio apóstolo Paulo já reunia seus escritos, assim como Lucas e Timóteo. Esses escritos percorriam as comunidades cristãs desde os primeiros séculos e eram considerados pela cultura popular como palavra inspirada por Deus.

O estudioso da Bíblia, Robert M. Grant, escreveu sobre o processo de formação do Novo Testamento: "Não o produto de reuniões oficiais ou mesmo dos estudos de alguns teólogos. Ele reflete e expressa o auto-entendimento ideal de todo um movimento religioso que, apesar de diferenças temporais, geográficas, e mesmo ideológicas, pôde finalmente ser unificado na aceitação desses 27 documentos diversos que expressam o significado da revelação de Deus em Jesus Cristo e para sua igreja."
Os próprios apóstolos, no século I, já consideravam seus escritos como palavra de Deus:
- João chamou seus escritos de "Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos" e afirmou que eles são "a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo" (Ap 1, 1-2).
- Paulo citou os escritos de Mateus como sendo Escritura: "Pois a Escritura diz: "Não amordace o boi enquanto está debulhando o cereal", e "o trabalhador merece o seu salário" (1Tm, 5, 18).
- Pedro comparou os escritos de Paulo com os demais escritos do Antigo Testamento: "Tenham em mente que a paciência de nosso Senhor significa salvação, como também o nosso amado irmão Paulo lhes escreveu, com a sabedoria que Deus lhe deu. Ele escreve da mesma forma em todas as suas cartas, falando nelas destes assuntos. Suas cartas contêm algumas coisas difíceis de entender, as quais os ignorantes e instáveis torcem, como também o fazem com as demais Escrituras, para a própria destruição deles". (2Pe 3, 15-16)
Outros cristãos influentes dos primeiros séculos da Igreja citam os escritos que foram inseridos no Novo Testamento:
- Clemente de Roma (95 d.C.) menciona em seus escritos: Mateus, Lucas, Romanos, Coríntios, Hebreus, Primeira Carta a Timóteo, Primeira Carta de São Pedro.
- Policarpo (110 d.C.), discípulo do apóstolo João cita Filipenses e menciona frases de outras 9 cartas de São Paulo. 
- Irineu (130 - 200 d.C.), discípulo de Policarpo, que foi discípulo de João, cita a maioria dos livros do Novo Testamento e a eles se refere como "Escrituras". Desta forma, vê-se que bem antes de Constantino já se tecia a idéia da inspiração divina e da importância cristã dos escritos que mais tarde foram incluídos na Bíblia. 
Outro equívoco de Brown foi afirmar que Constantino influenciou o Concílio de Nicéia a votar a favor da divindade de Jesus. Como já vimos, este Concílio não debateu sobre a divindade de Jesus ou não, mas sim se ele era divino desde sempre ou se foi criado divino por Deus. De qualquer forma, Constantino não influenciou as decisões deste concílio. Sabe-se que o imperador reuniu o concílio em Nicéia, pagou as despesas das viagens dos que compareceram e disponibilizou um palácio aos participantes, mas ele não teve nenhuma autoridade teológica, tanto que se recusou a se sentar diante dos bispos porque não era batizado, ainda.
As besteiras em torno de Constantino não param por aí. No CDV podemos ler: "O Cristianismo guardava o sábado judeu [sabbath], mas Constantino mudou o dia para coincidir com a veneração pagã do dia do sol [sunday – domingo]" (pp.232-233). Mais uma vez Brown desconhece a história, pois o domingo era guardado pelos cristãos bem antes de Constantino:

- Inácio, bispo de Antioquia (110 d.C.), escreveu: "Se, então, aqueles que andam nas práticas antigas alcançam renovação de esperança, não mais guardando o sábado, mas moldando suas vidas após o dia do Senhor, no qual nossas vidas também surgiram através dele, que nós podemos nos descobrir discípulos de Jesus Cristo, nosso único professor". É uma alusão clara que o "dia do Senhor, no qual nossas vidas também surgiram através dele" é o dia da ressurreição, ou seja, um domingo.
- Justino (150 d.C.) descreve o domingo como o dia em que os cristãos se reúnem para ler as escrituras e guardar sua assembléia, pois este dia é o primeiro da criação, e também o da ressurreição: "Reunimo-nos todos no dia do sol, porque é o primeiro dia após o Sábado dos judeus, mas também o primeiro dia em que
Deus, extraindo a matéria das trevas, criou o mundo e, neste mesmo dia, Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou dentre os mortos." 
- A Didaché [ou ensinamento dos doze apóstolos] (70-75 d.C.) instrui os cristãos a: "No dia próprio do Senhor, reunam-se, partam o pão e agradeçam". 
- Outros testemunhos de Irineu, Cipriano e Plínio o Jovem, anteriores a Constantino, testificam que os cristãos adoravam o Senhor no domingo. 
Logo, Constantino nada teve a ver com a idéia de se guardar o domingo.
Mais uma vez Brown tentou descredibilizar o cristianismo, mas usou argumentos falsos para isso.

7. Jesus, um celibatário

Além de usar os apócrifos, que como já vimos, não são fontes seguras, Dan Brown usa um argumento um tanto duvidoso para "provar" que Jesus era casado: "[...] Jesus como um homem casado faz muito mais sentido do que nossa visão bíblica comum, de vê-lo como solteiro [...] Porque Jesus era judeu [...] o decoro
social durante aquele tempo virtualmente proibia um homem judeu de não ser casado. De acordo com o costume judeu, o celibato era condenado, e a obrigação de um pai judeu era encontrar uma esposa adequada para o seu filho. Se Jesus não era casado, pelo menos um dos evangelhos da Bíblia mencionaria isso e ofereceria alguma explicação para o seu estado não-natural de solteiro". (p. 245).
É certo que alguns rabinos judeus pregavam essa idéia. Mas isso não era uma lei, nem era seguido por todos. Muitas pessoas, geralmente os profetas e os sábios judeus viviam o celibato: Jeremias, Banus, João Batista, Elias, alguns apóstolos de Jesus, Paulo etc. Porque então o maior profeta de todos os tempos, Jesus de Nazaré, seria diferente? Até mesmo o judeu rabino Galileu Pinhas ben Yair, religioso devoto do século II, ensinou que a abstinência sexual era essencial para se receber a sabedoria profética do Espírito Santo.
Ainda mais: já que Dan Brown usou os livros encontrados em Nag Hammadi para fortalecer sua tese, porque ele não cita que os moradores desta região, os essênios, eram quase todos celibatários?
Além dos essênios, há relatos de um outro grupo de celibatários judeus contemporâneos a Jesus, formados por homens e mulheres, são os therapeutae. Desta forma vemos que nenhum decoro social da época obrigava os judeus a se casarem. Alguns rabinos o faziam, mas certamente eles não eram seguidos por todos.
Um dos maiores exemplos da possibilidade de ser solteiro na comunidade judaica da época é o apóstolo Paulo. Ele era celibatário e afirmou em seus escritos: "Por causa  dos problemas atuais, penso que é melhor o homem permanecer como está. Você está casado? Não procure separar-se. Está solteiro? Não procure esposa. Mas, se vier a casar- se, não comete pecado; e, se uma virgem se casar, também não comete pecado. Mas aqueles que se casarem enfrentarão muitas dificuldades na vida, e eu gostaria de poupá-los disso." (1Cor 7, 26-28).
Paulo ainda diz ter o direito de ser casado, embora ele não o fosse e cita como exemplos alguns apóstolos de Jesus que eram casados. Ora, se Jesus fosse casado, Paulo teria o usado também como um exemplo, seria o seu maior exemplo, mas se não o citou é porque Jesus era celibatário: "Não temos nós o direito de levar conosco uma esposa crente como fazem os outros apóstolos, os irmãos do Senhor e Pedro?" (1Cor 9,5).
Um outro ponto que faz cair por terra a afirmação de Brown, é que, segundo ele, Jesus seria casado para seguir o costume da época. Que absurdo! Jesus foi um revolucionário. Ele sempre contrariou as expectativas. Sempre quebrou protocolos e  nunca se deixou levar por vãs tradições. Por isso falava com os pecadores; jantava com prostitutas e cobradores de impostos; seus apóstolos eram homens comuns e pobres; atacou os comerciantes do templo, desafiou os doutores da lei judaica, etc. 
Jesus nunca foi alguém que se curvava diante de "decoros sociais da época".
O que é preciso entender é que Jesus poderia sim ter sido casado. Não haveria nada de errado nisso se essa fosse a sua vontade. Mas ele não foi e a verdade deve ser dita.
Outro erro que se comete é dizer que a Igreja vê o sexo com "maus olhos". Para a Igreja o sexo é algo querido por Deus, se não o fosse ele não seria parte da natureza humana. O que a Igreja prega é a abstinência sexual antes do casamento. A Igreja entende que o ato sexual é reservado aos casados. Mas isso não quer dizer que o ato sexual é visto como mal pelos católicos.
Vejamos o que diz o Catecismo da Igreja Católica, documento oficial que resume a doutrina católica: "Os atos com os quais os cônjuges se unem íntima e castamente são honestos e dignos. Quando realizados de forma verdadeiramente humana, significam e favorecem a mútua doação pela qual os esposos se enriquecem com o coração alegre e agradecido. A sexualidade é fonte de alegria e de prazer. O próprio Criador estabeleceu que nesta função (i.é, de geração) os esposos sentissem prazer e satisfação do corpo e do espírito. Portanto os esposos não fazem nada de mal em procurar este prazer" (CIC, parágrafo 2362).
Fica claro que a Igreja vê o sexo como algo belo, desde que realizado corretamente. Já o celibato é a renúncia de uma vida matrimonial para se buscar uma vivência mais forte do evangelho, dedicando-se exclusivamente à causa de Cristo. Isto também é muito bem visto pela Igreja e foi o caminho escolhido pelos padres, bispos, freiras, etc. À exemplo de Jesus.

8. A dignidade de Maria Madalena

Segundo o CDV, A Igreja denegriu a imagem de Maria Madalena para que ela ficasse bem longe de ser a deusa feminina. Assim, a Igreja a classificou como prostituta e apagou sua dignidade.
Ora, Maria Madalena sempre foi reconhecida como uma mulher exemplar e não uma mera pecadora. Sua história sempre foi conhecida dos cristãos através da Igreja. Para a Igreja, Madalena não é somente uma prostituta, mas teria sido uma prostituta que se converteu e seguiu Jesus. Tanto que a Igreja fez dela uma santa. Santa Maria Madalena.
A idéia de que Madalena seria uma prostituta vem de uma interpretação do evangelho de Lucas na qual identifica-se Madalena com a mulher pecadora que lavou os pés de Jesus com suas lágrimas e os enxugou com seus cabelos. Esta mulher é referida como um exemplo pelo próprio Jesus, já que havia se convertido: "A tua fé te salvou, vai em paz" (cf Lc 7, 37-50). Mas não há de fato, referências de que esta mulher seja Maria Madalena. Madalena aparece logo no capítulo seguinte do evangelho de Lucas: "...e algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios..." (Lc 8,2). Alguns interpretaram que essas 2 mulheres seriam a mesma: Maria Madalena.
A interpretação de que Madalena seja prostituta também vem de 2 fatos: Primeiro, como vimos, no capítulo 8 de Lucas diz-se que Madalena foi possuída por demônios. Algumas pessoas identificam que estar possuída por demônios pode significar, na verdade, estar vivendo com doenças ou pecados graves. Segundo, o próprio nome de Madalena pode indicar que ela era prostituta. Madalena vem da palavra Magdala, que era uma fortificação de soldados romanos. Portanto ela era a Maria de Magdala, a Maria que servia em Magdala. Ora, é de se imaginar qual era o serviço de uma mulher onde viviam somente os soldados romanos.
Portanto, realmente não é claro que Maria Madalena era prostituta, mas há indícios disso.
Mas também é falso dizer que por ter sido considerada prostituta, sua imagem foi destruída. Pois não é uma prostituta qualquer, é a prostituta que abandonou tudo para seguir Jesus. Foi ela a primeira a ver o Cristo ressuscitado e quem foi anunciar a ressurreição de Jesus aos apóstolos. Ela foi, sem dúvida nenhuma, uma grande discípula, querida por Jesus. Mas daí a querer colocá-la como esposa de Jesus, já é um exagero, pois isso não se confirma bíblica nem historicamente. 
Aliás todos os discípulos de Jesus são assim, não só Madalena. Pedro era um pescador rabugento, intransigente, que duvidou que Jesus poderia trazer bom resultado em sua pescaria, duvidou que Jesus poderia fazê-lo andar sobre as águas, negou Cristo 3 vezes! Mas Jesus o constitui líder da Igreja: "Apascenta minhas ovelhas" (Jo 21, 15-17). Paulo era o grande perseguidor dos cristãos, ele os odiava.
Todos os cristãos o temiam. Até que ele se encontrou com Jesus e se tornou um dos seus maiores pregadores. Alguns apóstolos disputavam entre si o melhor lugar... Sim, os seguidores de Jesus eram pessoas fracas, pecadoras, ambiciosas. Mas todos  mudaram de vida ao entenderem a sua mensagem. Basta ver que todos os apóstolos, um a um, foram martirizados por causa de sua fé em Jesus. Não foi somente Madalena que se converteu. 
Portanto, dizer que a Igreja marginalizou Madalena não faz sentido. Se assim o fosse, todos os apóstolos seriam marginalizados com ela, pois todos tinham seus pecados.
Ao ser declarada santa, Maria Madalena foi elevada à dignidade de exemplo para os católicos. A pecadora que soube compreender a mensagem de Cristo. 
"Santa Maria Madalena, rogai por nós!"

9. O caso Opus Dei

Uma tendência que se confirma dia após dia: qualquer desejo de atacar a Igreja, deve usar o argumento Opus Dei. Nada mais saboroso para os críticos do que criar histórias obscuras e polêmicas que envolvam o Opus Dei. 
Segundo o CDV o Opus Dei é uma "Prelazia pessoal do Papa", uma forte organização católica, cheia de corrupção e desejos obscuros. Brown acusa o Opus Dei de influenciar a Igreja em vários aspectos, de manipular seus integrantes, de obrigar seus membros a se mutilarem, etc.
No contexto do romance, um dos altos membros do Opus Dei (um bispo) foi incumbido pela Igreja de descobrir os segredos do Priorado de Sião e apagá-los da história. Para tal, este bispo manda um outro membro, o monge Silas, assassinar integrantes do Priorado, para assim, morrerem com eles os segredos do casamento de Jesus com Maria Madalena.
Vários erros são cometidos no CDV em relação ao Opus Dei. A começar pela própria definição do Opus Dei (Brown é especialista em errar logo na definição das coisas). Dan Brown diz que o Opus é uma "Prelazia pessoal do Papa." O que entende-se por isso? Deve ser uma organização fortemente ligada ao papa, de confiança e relação total do papado, como se o papa fosse seu líder mais próximo ou se o Opus Dei o influenciasse diretamente.
Mas não é nada disso. O Opus Dei não é uma Prelazia pessoal do Papa. É uma prelazia pessoal, da Igreja e não do papa. Isso quer dizer que é uma prelazia que não está ligada a nenhum território, mas à qual o indivíduo se vincula pessoalmente, independente de onde o membro viva. Seria como uma paróquia virtual, sem demarcação territorial. Obviamente, é uma prelazia aprovada pelos papas que a conheceram e que se submete ao papado, mas não se pode dizer que o  papado está intimamente ligado a ela, como se ele a controlasse diretamente ou vice-versa. O prelado do Opus Dei responde à Sagrada Congregação para os Bispos.
Segundo o site oficial do Opus Dei no Brasil, ele "é uma Prelazia pessoal da Igreja Católica. Foi fundado em Madrid a 2 de outubro de 1928 por São Josemaría Escrivá. 
Atualmente pertencem à Prelazia cerca de 80.000 pessoas dos cinco continentes". O total desconhecimento de Brown acerca desta prelazia é tamanho que ele insere no CDV como um dos membros do Opus Dei um monge. Esperava-se que, para criticar o Opus Dei, o autor o conhecesse. Ora, não há, nem nunca houve um monge como membro numerário do Opus Dei. Se Brown conhecesse bem a prelazia, ele poderia ter colocado um padre ou até mesmo um leigo como membro do Opus Dei no seu romance. Mas não um monge.
Quanto às outras críticas em relação ao Opus Dei que se têm feito em vários livros e na imprensa, que se tornaram ainda maiores após a publicação de CDV, ao que tudo indica, trata-se mais de incompreensão do modo de ser católico do que realidade. Sem entender o que o catolicismo prega é impossível viver o Opus Dei. Por isso, algumas pessoas se decepcionam com o Opus Dei. Em geral, essas pessoas "conhecem" a Igreja Católica através do Opus Dei, como membros dele. Sua filosofia de vida não é para qualquer um. Só uma pessoa de formação católica consistente pode entender e viver o Opus Dei.
A Igreja Católica vive uma unidade, mas não uma uniformidade. E nem o quer. A Igreja, presente em todo o mundo, entende que não é possível fazer com que todos vivam do mesmo modo. Por isso, desde sempre o catolicismo ofereceu aos seus fiéis diversos modos de vida cristã. Todos esses modos de vida são centralizados num único ponto, numa única fé: Jesus Cristo e seus ensinamentos. Assim, qualquer que seja o modo de vida do católico, ele deve estar enraizado na doutrina e moral oficial da Igreja. Desta forma todos os católicos tem certas obrigações comuns: crer na Santíssima Trindade, orar, ler a Bíblia, receber os sacramentos (batismo, eucaristia, confissão...), participar da missa ao menos aos domingos, preocupar-se com o próximo, seguir os mandamentos, não se utilizar métodos anticoncepcionais nãonaturais,  defender a vida contra o aborto, etc. Mas cada um pode fazê-lo a seu  modo, desde que o faça. É aí que surgem os vários segmentos da Igreja, unidos, mas não iguais.
Há aqueles que vivem em monastérios sem contato com o mundo exterior; há os que seguem com maior devoção um certo santo (beneditinos, franciscanos, clarissas,...); há os que gostam de missas e celebrações mais musicais, que vivem os chamados carismas do Espirito (um exemplo é a Renovação Carismática Católica); há aqueles que preferem missas mais silenciosas, mais tradicionais; há os que preferem viver mais a espiritualidade; há os que preferem se envolver mais em causas sociais. Todos são unidos pela doutrina católica, mas a vivem diferentemente. É neste contexto que se insere o Opus Dei. Esta prelazia segue a doutrina católica, mas a seu modo. Modo este que pode sim ser considerado mais ortodoxo, mas não contrário ao catolicismo. Mais ortodoxo no sentido de que seus membros são fortemente influenciados para viverem de fato o catolicismo, isto é, o Opus Dei exige que os católicos membros não vivam uma religião de aparências, mas sim uma religião convicta, de verdade. E não há nada de errado nisso. Isso diferencia o Opus Dei de outros segmentos da Igreja. Por exemplo, a Renovação Carismática Católica: ela prega os mesmos princípios básicos do catolicismo, assim como o Opus Dei, mas não vigia para que seus membros vivam esses princípios, a consciência de cada um é ue dita sua vivência. Já o Opus Dei, ao que tudo indica, o faz, de certa forma, mas não de um jeito absurdo, totalitário. São modos diferentes de viver a fé católica, e
ambos estão corretos. Também é mais ortodoxo no sentido de que a vivência do Opus Dei é mais radical (desde que não se entre no campo do fanatismo, a vida radical do cristianismo é bem vista pela Igreja), com obrigações nem sempre entendidas por todos. É aí que surgem muitas incompreensões e críticas em relação
ao Opus Dei. Mas o que muita gente não entende é que o Opus Dei não contradiz em nada a doutrina católica: oração, evangelização, doação de bens à Igreja, prática da caridade, renegar o pecado, sacrifícios físicos pelo perdão dos pecados (desde que não se prejudique a saúde, claro)...nada disso contradiz o catolicismo. Para resumir, as próprias palavras do site oficial do Opus Dei deixam bem claro qual é a sua missão: "A Prelazia do Opus Dei proporciona meios de formação espiritual e atendimento pastoral aos seus próprios fiéis e também a muitas outras pessoas. Por meio desse atendimento pastoral, estimula-se a prática dos ensinamentos do Evangelho pelo exercício das virtudes cristãs e pela santificação do trabalho profissional.
Santificar o trabalho significa, para os fiéis da Prelazia, trabalhar segundo o espírito de Jesus Cristo: realizar as tarefas próprias com perfeição, para dar glória a Deus e para servir os outros, e assim contribuir para santificar o mundo, tornando presente o espírito do Evangelho em todas as atividades e realidades temporais. Os fiéis da prelazia realizam pessoalmente a sua tarefa evangelizadora nos variados ambientes da sociedade em que vivem. Por conseguinte, o trabalho que levam a cabo não se limita a um campo específico, como a educação, o cuidado dos doentes ou a ajuda aos incapacitados. A missão da prelazia é lembrar a todos os
cristãos que, seja qual for a atividade secular a que se dediquem, devem cooperar para uma solução cristã dos problemas da sociedade e dar testemunho constante da sua fé".
Lógico que tudo isso traz consigo certas exigências e só um católico convicto poderá suportá-las. Afinal, a porta que leva à salvação, segundo Jesus Cristo, é a porta estreita.
Portanto, o que se criou em CDV é uma espécie de "saco de pancadas". O Opus Dei virou um alvo. Obviamente, como em toda organização humana, podem existir erros no Opus Dei, assim como eles ocorrem em toda a Igreja, santa e pecadora. Mas também não se pode generalizar e querer acabar com a moral de uma prelazia séria (que nada tem de obscuro) através de acusações infundadas que se originam no
desconhecimento. 
Para ilustrar melhor o que é o Opus Dei, segue abaixo o depoimento de Lenise Garcia, uma numerária da prelazia pessoal há mais de 30 anos, que nos conta qual é a sua experiência com o Opus Dei: "São Josemaria dizia que o Opus Dei causa estranheza a alguns pelo fato de não ser estranho. Isso é uma grande realidade, pois a vida de um fiel de Opus Dei é muito normal: trabalho, família, hobbies, livre atuação na sociedade. Para alguns essa normalidade não convence, por isso procuram coisas estranhas, que justifiquem o "verdadeiro motivo" que faz alguém ser do Opus Dei. Especialmente no caso das pessoas sem fé, "amor a Deus" não é um motivo razoável, que possa explicar a entrega de uma vida. Portanto, é necessário que haja (no seu entender) outro objetivo, oculto.
Outra questão é que o Opus Dei normalmente não atua "em grupo". Eu recebo formação católica no Opus Dei, depois atuo como a minha consciência me indica, de acordo com minhas preferências e opções. O Opus Dei não responde por aquilo que eu faço, tenho minha responsabilidade pessoal. Isso faz com que o Opus Dei não seja "visto" com muita facilidade. Mas, novamente, nada há de segredo. O sal da comida não se vê, mas se percebe o seu efeito. Cristo nos disse que temos que ser sal.
Viver o espírito do Opus Dei é simplesmente isso: dar sentido cristão a todas as nossas ações, grandes ou pequenas. O verdadeiro valor de uma ação está no amor a Deus com que a fazemos.
E, ao contrário do que afirmam alguns, a vida no Opus Dei é muito agradável. A minha casa é muito divertida e animada. E isso não é algo postiço, mas que sai do coração."

10. Mais erros de Brown

Depois de analisados os principais equívocos cometidos por Brown o que já desqualifica totalmente seu livro, ainda podemos listar outros isolados (mas vergonhosos) deslizes do autor:
o Dan Brown desconhece mesmo a história. Ele cometeu a gafe de afirmar erroneamente que Godofredo de Buillon, um dos líderes da Primeira Cruzada, era "um rei da França." Quanta desinformação para quem diz ser um grande estudioso do assunto.
o É falso que a vida de Jesus tenha sido "registada por milhares de seguidores em todo o mundo" (p.231), como afirma Brown. Milhares, que exagero! Jesus não tinha sequer milhares de seguidores fixos e muito menos letrados. 
o Brown afirma que "mais de 80 evangelhos foram estudados para compor o Novo Testamento" (p.231) Mais um exagero! Até parece que houve um concurso para a escolha dos Evangelhos canônicos. Para se ter uma idéia do número de evangelhos que foram escritos, dentre os 52 pergaminhos encontrados em Nag Hammadi, apenas 5 eram evangelhos.
o Brown comenta que a união de Jesus com Maria Madalena é um tema "mais que explorado pelos historiadores modernos." Seria interessante ele citar pelo menos um nome de algum historiador famoso que estuda esse assunto. 
o Maria Madalena estava grávida na crucificação? Essa é boa! De onde saiu essa teoria?
o No CDV lemos que "Os descendentes de Cristo geraram a dinastia que hoje é conhecida como merovíngia e fundaram Paris" (p. 274).
Mais uma total falta de conhecimento histórico. Paris foi fundada no século III antes de Cristo! A Parisii, uma tribo gaulesa, colonizou a ilha Seine Île de la Cite e fundou a colônia de Lutuhezi, que depois também passou a ser chamada de Lutetia Parisorum. Os merovíngeos apenas tornaram Paris a capital da França em 508 d.C. 
o Outra invenção numérica de Dan Brown: "Durante 300 anos de caça às bruxas, a igreja queimou na fogueira a quantidade impressionante de cinco milhões de mulheres" (p.135). Realmente o escritor é péssimo em números! 
Sabe-se que 30 a 50 mil homens e mulheres foram mortos acusados de feitiçaria durante quatro séculos (1400 a 1800) e cerca de 75% eram mulheres. Um número considerável, mas querer aumentá-lo para 5 milhões de mulheres é uma mentira histórica lastimável.
o A afirmação de Dan Brown que a "Temple Church, em Londres, é redonda em honra ao sol" (pp. 359 e 364) é um erro arquitetônico grave. Sabe-se que cada igreja redonda construída pelos templários na Europa é, na verdade, uma referência à Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém. A Temple Church consagrada em 1185 não foge a essa regra. A redonda Igreja do Santo Sepulcro contém um túmulo que os católicos acreditam ter sido o local onde Jesus foi sepultado.
o Segundo Brown, Leonardo da Vinci era homossexual (pp. 54 e 130). Acusação grave e sem provas! Embora a sexualidade de Leonardo não seja relevante no caso, mostra como Brown lança argumentos sem fundamentos. O pintor foi anonimamente acusado de sodomia no ano de 1476, mas no mesmo ano o caso foi arquivado por falta de provas. 
o Mais um erro encontrado no CDV é o que se refere ao nome de Deus: "O tetragrama judaico YHWH – o nome sagrado de Deus – na verdade derivava de Jeová, uma união física andrógina entre o masculino, Jah, e o nome feminino pré-hebraico de Eva, Havah" (pp. 328-329). Depois dessa o CDV deveria ser jogado no lixo! Qualquer estudioso do judaísmo e do cristianismo sabe que é exatamente o contrário! É Jeová que deriva de YHWH. A palavra YHWH significa "Eu sou" e este é o nome de Deus revelado a Moisés no Antigo Testamento. É uma palavra sem vogais e impronunciável. Os judeus não falavam o nome de Deus, como sinal de respeito. No lugar de YHWH os judeus diziam Adonai, que significa Senhor. Uma possível forma de pronunciar essa palavra é YAHWEH (Javé, em português). No século XVI alguns cristãos uniram as palavras YAHWEH e Adonai, originado assim a palavra Jeová. Portanto, Brown errou feio nessa.
o Ainda podemos encontrar mais equívocos sobre o judaísmo no CDV: "O Santo dos Santos do Templo de Salomão abrigava não só Deus como também sua poderosa consorte feminina, Shekinah. Homens vinham ao Templo fazer amor com as sacerdotisas e assim experimentavam o divino" (p. 328). Este é mais um fruto da
imaginação fértil de Brown. O Santo dos Santos do templo de Salomão era um local onde só entrava o Sumo Sacerdote, uma vez ao ano, para derramar sangue de animal no propiciatório como remissão dos pecados do povo de Israel. Qualquer pessoa que ousasse entrar no Santo dos Santos, além do Sumo Sacerdote, era prontamente eliminada por Deus, segundo a crença judaica. Segundo o Antigo Testamento, Deus se manifestava como uma nuvem que cobria o tabernáculo (Ex 40, 34-38; Num 9, 15-23; 1 Reis 8,10-11). Os israelitas chamam a nuvem sobre o Santo dos Santos de "Shekinah" que significa "a manifestação da presença de Deus". 
Sendo assim Shekinah não é a "consorte feminina" de Deus. E querer afirmar que aconteciam reuniões sexuais no Santo dos Santos é querer transformar o lugar mais sagrado do judaísmo num prostíbulo. Não há nenhuma referência histórica séria sobre isso.
o No livro, Teabing, uma personagem do romance, diz: "A Bíblia não foi enviada via fax do céu... a Bíblia é o produto do homem minha querida, não de Deus. A Bíblia não caiu magicamente das nuvens" (p.231). Sério? Nossa! Que novidade! Brown deveria receber um prêmio por essa afirmação! Só se for da Associação Nacional de Tradutores Autônomos (A.N.T.A.). Piadas a parte, a Igreja nunca escondeu que a Bíblia foi escrita por homens, inspirados por Deus, mas homens, comuns como cada um de nós. 
o Dan Brown afirma que o cristianismo possui " vestígios de religiões pagãs" (p.232). Esta foi uma forma de desmerecer o cristianismo, como se a fé cristã nada mais fosse do que uma cópia de outras crenças antigas. Bom, é verdade que algumas crenças do cristianismo têm relação com crenças pagãs. Mas essa relação é de vitória ideológica, não de cópia. Por exemplo, a data do nascimento de Jesus, 25 de dezembro. Jesus não nasceu nesta data. A Igreja determinou esta data para comemorar o nascimento de Cristo como uma forma de se opor ao festival pagão do solstício de inverno, Saturnalia, comemorado pelos romanos. É como se a Igreja afirmasse que Sarturnalia não deveria ser adorado nesta data, mas sim o verdadeiro Deus, que para os católicos se fez homem na pessoa de Jesus Cristo. Assim sendo, não é uma cópia, mas uma substituição ideológica. 
o O CDV contém ainda outra comparação errônea sobre a relação do cristianismo com crenças pagãs: "Nada é original no cristianismo. O deus pré-cristão Mitra – chamado o Filho de Deus e a luz do mundo – nasceu no dia 25 de dezembro, morreu e foi enterrado em um sepulcro de pedra e depois ressuscitou em três dias" (p.221). A não ser a data de nascimento de Mitra (que como já vimos, não foi a causa da escolha da data do natal), os outros dados que Brown cita a respeito do mitraísmo são falsos. Sim, isso mesmo, falsos. Não há registros de que acreditava-se que Mitra era filho de Deus ou que ressuscitou. É tudo invenção de Dan Brown! Aliás, segundo o estudioso do mitraísmo, Richard Gordon, "não há a morte de Mitra" (Image and Value in the Greco-Roman World, Variorum, 1996), portanto não pode haver uma ressurreição de Mitra!
o No Capítulo 77 Brown faz alusão sobre um nome próprio, Sesaque, que ele diz ser "mencionado repetitivamente no livro de Jeremias". Este nome é uma palavra código para Babilônia. Isso é verdade, mas é um exagero dizer que algo mencionado duas vezes (Jer 25,26, Jer 51,41) é mencionado "repetitivamente". Novamente, Dan Brown mostra que não entende nada sobre o assunto religioso ou que manipula dados em favor de sua teoria. 

11- As fontes de Brown

No capítulo 60 do CDV lemos que "foram feitos relatos aprofundados sobre a linhagem real de Jesus Cristo, por uma grande quantidade de historiadores". Esta grande quantidade de historiadores não passam de dez. E nem são historiadores no sentido acadêmico. Uma análise sobre os escritores que influenciaram Brown, revela que são pessoas tão sem créditos acadêmicos em história quanto ele. Vejamos: 
- Michael Baigent, Richard Leigh e Henry Lincoln: autores de Holy Blood, Holy Grail (O Santo Graal e a Linhagem Sagrada). Baigent, tem como única credencial, ser graduado em psicologia. Leigh é descrito em um website promovendo suas qualidades como conferencista como um "escritor e conferencista com um extenso conhecimento de história, filosofia, psicologia e esoterismo," o que é uma forma elegante de dizer que ele não tem nenhuma credencial relevante no assunto.
Henry Lincoln, em uma entrevista num documentário transmitido pelo National Geographic, ao ser questionado se acreditava nas teorias do casamento de Jesus com Madalena, afirmou: "Eu não acredito, nem desacredito em nada, tudo isso são somente hipóteses". Pois é, para um dos inspiradores de Dan Brown o assunto não passa de hipótese. Mas Brown quer que acreditemos nele...
- Picknett e Prince: autores de The Templar Revelation (A Revelação dos Templários): em seu livro eles dizem ser "escritores, pesquisadores e conferencistas sobre o paranormal, o oculto, e mistérios históricos e religiosos", nada mais que isso. Suas outras obras incluem assuntos sobre extraterrestres, OVNIs, mistérios do Egito Antigo. É totalmente perceptível que eles gostam mesmo de tratar de assuntos mirabolantes, saltando de Jesus para OVNIs.

Que tipo de estudiosos eles são?
- Margareth Starbird: escreveu The Woman with the Alabaster Jar (A Mulher com a Jarra de Alabastro), a autora afirma, no livro, ter mestrado, mas não diz em que área e diz ter estudado na Vanderbilt Divinity School (Escola de Teologia Vanderbilt), mas não diz se concluiu os estudos. Starbird é também a autora do terceiro livro que Brown destaca, The Goddess in the Gospels (A Deusa nos Evangelhos), mais um livro da "linha Dan Brown", um monte de teorias fracas e descabidas. Além disso ela já declarou: "Minha narrativa de Maria Madalena e da pequena Sarah (a suposta filha de Nosso Senhor) [...] é ficção. [...] É claro que eu não posso provar [...] que Jesus se casou ou que Maria Madalena foi a mãe da sua filha". E Dan Brown se baseou nessa ficção para escrever um livro que ele diz ser real! Como é perceptível, os "grandes pesquisadores" de que Brown fala não são pesquisadores de fato. Interessante notar que o autor de CDV não citou nenhum verdadeiro pesquisador famoso do Novo Testamento, porque será? Porque suas teses não se sustentariam... 

12- Dan Brown e a crítica

Como já vimos, a crítica racionalista tentou destruir os evangelhos canônicos, mas acabou por elevá-los à " mais privilegiada posição que existe" (Streeter, crítico inglês). Já Dan Brown o e CDV, ao serem analisados pela crítica atual, acabam sendo colocados na posição que merecem: no poço mais fundo do descrédito.
Para ilustrar melhor qual é a (des)credibilidade de Brown, vale citar aqui o que já foi publicado sobre nosso grande "pesquisador-escritor" na imprensa internacional: 
- The Times: "De A Herança Scarlatti, através de O Círculo Matarese e até O Engano Prometheus, Ludlum teceu uma trama de roteiros extravagantes, protagonizados por personagens estereotipados que têm diálogos ridículos. Temo que Dan Brown seja o seu digno sucessor".
"Este livro é, sem dúvida, o mais imbecil, inexato, mal informado, estereotipado, e enlatado exemplo de pulp fiction que já li".
"Já seria mau o suficiente, que Brown tivesse entrado num frenesim de New Age, tentando unir o Graal, Maria Madalena, os Templários, o Priorado de Sion, os Rosa Cruz , os números de Fibonacci e a Era de Aquário. Mas o pior é que ele o faz com muito pouca habilidade".
"Os editores de Brown apresentaram um punhado de comentários elogiosos de escritores norte-americanos de thrillers de segunda linha. Só posso deduzir que a razão para o seu louvor excessivo foi porque as suas obras, quando comparadas com este livro, parecem obras de arte..."
- Chicago Sun Times :
"Na nossa sociedade "correta", uma declaração considerada racista, anti-semita, contrária às mulheres ou aos
homossexuais desqualificará o seu autor por muitos anos — mas o mesmo não ocorre em relação a insultos a Jesus Cristo e àqueles que seguem os seus ensinamentos. Longe disso: aumente as desgastadas histórias de conspiração católica até chegar à extensão de um livro, e isso poderá torná-lo rico e famoso, como acabou de acontecer com um tal Dan Brown, autor de O Código da Vinci"
"O romance mistura realidade e ficção, como um filme baseado em fatos reais, e lança conjecturas sem fundamento sobre o catolicismo".
"A suposta "pesquisa" de Brown deriva de teorias feministas extremistas".
- New York Daily News:
"[Dan Brown] extrai muitos dados de dois trabalhos anteriores de pesquisa amadora: The Templar Revelation: Secret Guardians of the True Identity of Christ e Holy Blood, Holy Grail, uma especulação sobre a descendência de Cristo. Ambos foram desqualificados pela maioria dos especialistas no assunto".
"Os seus erros crassos só podem deixar de indignar um leitor que conheça pouco o assunto".
- The New York Times:
"Em vez de um filme, no entanto, parece que há uma ópera à espreita nessas páginas, e o sr. Brown poderia levar à prática o imortal conselho de Voltaire: "Se alguma coisa é muito estúpida para ser dita, pelo menos sempre poderá ser cantada’".
- Our Sunday Visitor:
"O Código Da Vinci não é erudito nem desafiador — excetuando o desafio à paciência do leitor. Além disso, não há verdadeiro suspense, o estilo é espantosamente banal, mesmo para o gênero de ficção. É uma confusão pretensiosa, chauvinista e tendenciosa".
"Quase nada desse cenário é original. A maior parte foi extraída do trabalho de "fantasia disfarçada de história"  chamado Holy Blood, Holy Grail, e o resto é uma mistura de "pérolas" desgastadas e ridículas teorias da conspiração esotéricas e gnósticas".
"O tratamento que Brown dá à Igreja Católica não é original. Ele repete acriticamente, entre muitas outras mentiras e distorções, a calúnia de que a Igreja foi responsável pela morte de 5 milhões de mulheres acusadas de bruxaria durante o período medieval".
"Nem ao menos é um romance de suspense bem feito. Há muito pouca ação".
"O Código Da Vinci é inexato mesmo quanto aos detalhes (...) os fiéis do Opus Dei não são monges, nem usam hábito". 
- Weekly Standard:
"Podem chamar-me de cética, mas não estou disposta a comprar esse livro. Os rituais que relata são fruto de uma mistura de contos fantasiosos".
"Alguém deveria dar a esse homem e aos seus editores uma história básica do Cristianismo e um mapa".
"É bastante atrevido por parte do autor e de seus editores querer empurrar-nos essa barafunda de estupidezes como se fossem fatos reais simplesmente por terem borrifado nomes e detalhes históricos aqui e ali". 

13- O Código da Vinci, um grande besteirol

Que conclusões podemos, então, chegar de CDV? Listando os inúmeros erros crassos cometidos em CDV, vemos que o livro é uma obra muito mal feita, sem nenhuma pesquisa séria e sem nenhum dado consistente. Dan Brown conseguiu escrever um livro que se encaixa na mais baixa credibilidade que existe.
É óbvio que o estilo usado pelo autor, prende a atenção do leitor e quando ele apresenta seus "fatos", pessoas desinformadas poderão crer no que ele diz. Mas o CDV não resiste a uma pesquisa. Qualquer pessoa que busque informações a respeito daquilo que Brown afirma no livro, encontrará uma vasta coleção de desvios cometidos pelo autor (como já mostrado neste texto) e verá que o CDV é um grande besteirol.
Dan Brown se uniu aos que tentaram destruir a Igreja. Ele é mais um dos que, inutilmente, tentaram acabar com essa instituição que já resistiu 2000 anos de história, que já teve 266 papas (até Bento XVI) numa sucessão ininterrupta, que suportou 20 invasões e 5 destruições de Roma, além de dezenas de fugitivas de papas que tiveram que se defender de assassinatos. Certamente não será um livro ou um filme totalmente ilusório e mentiroso que destruirá esta Igreja que resiste milagrosamente todos que a perseguem, se sustentando sempre sobre a verdade. Sim, sobre a verdade e não sobre mentiras, nem sobre códigos. 

"Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Felizes sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por causa de meu nome" (Mt 5, 10-11).

JANUÁRIO, Eric Vieira. "O Código da Vinci, o código da mentira" In www.presbiteros.com.br Abril de 2006

Fontes pesquisadas:

Livros:
Catecismo da Igreja Católica, edição típica vaticana
Ciência e Fé em Harmonia, Professor Felipe Aquino
Escola da Fé, vol. I (A Sagrada Tradição), Professor Felipe Aquino
Escola da Fé, vol. II (A Sagrada Escritura), Professor Felipe Aquino
Escola da Fé, vol. III (O Sagrado Magistério), Professor Felipe Aquino
Porque sou Católico, Professor Felipe Aquino
Tu és Pedro (História da Igreja), George Suffert
Sites:
www.aleluia.uol.com.br (artigo: Desautorizando O Código da Vinci)
www.betesdaaldeota.com.br (artigo: Uma resposta bíblica e histórica ao Código da Vinci)
www.cleofas.com.br (vários artigos)
www.opusdei.org.br (referências sobre o Opus Dei)
www.tektonics.org (artigo: O Código da Vinci Desbancado)
www.veritatis.com.br (vários artigos)
Agradecimetos especiais a Lenise Garcia, que enriqueceu este texto com seu valioso testemunho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...